Interações de meus amigos poetas

Cícero Leite

Sangra...

O coração de um poeta.

Quando sua voz não é acolhida,

Quando a solidão não aceita,

E o seu AMOR vai embora sem despedida!

Rosalva

Sangra porque é preciso é a virada da vida nada prevista

Sangra porque estava escrito nesta vida de idas e vindas que vez é feia; em outra bonita

Sangra porque sou humana corre sangue nas veias meu coração incendeia

SANGRA

SANGRA
Alma desolada entregue à loucura
O corpo suplica, haverá cura?
Coração partido, da alegria ceifador
Feridas expostas gotejam em dor
 

SANGRA
Ódio, desprezo, solidão e medo
Misturam-se entre sórdidos segredos
Esparramam-se pelas entranhas
Tecem uma teia, pura façanha

 

SANGRA
Ideias vis confundem a mente
No olhar nebuloso busca descrente
Provocam delírios, embaçam a razão
Infeliz escolha à fraqueza dá vazão

 
 

SANGRA
A espera que o dia acabe
A espera que tudo desabe
A espera de deixar de ser
A espera que não haja amanhecer

 

SANGRA
             Gotas silenciosas
                                      Poças de  solidão
                                                             
Sangra...


Copyright © 2012 - Todos os Direitos Reservados à Marcela Re Ribeiro - Reprodução Proibida

Interações de meus amigos poetas

Onorato Lima Filho

A alma sangra na dor da solidão

A alma sangra como sangra o coração

Quando a saudade chega na contramão

E faz sangrar o amor, mesmo que eu diga não.

LIVROS DA AUTORA

​SIGA-ME

  • Facebook Classic
  • Instagram ícone social
  • LinkedIn ícone social
  • Twitter Classic
  • c-youtube

© 2018 Todos os Direitos Reservados à Marcela Re Ribeiro